Reforma de Temer visa privatizar a Previdência

Camila Severo entrevista o senador Paulo Paim

ASOL – Senador Paulo Paim, na sua avaliação, qual é a importância da CPI da Previdência e porque ser realizada neste momento?

Paulo Paim – A CPI da Previdência cumpre um papel fundamental para desmascarar essa falácia do déficit da previdência, inventado pelo governo Temer e sua turma.

Nós esperamos que a CPI seja instaurada ainda no mês de abril. Não há motivo nenhum para não instaurar, a não ser que aqueles que têm medo das investigações achem que as falcatruas deles vão ser descobertas. Principalmente porque nos últimos quatro anos o setor empresarial, segundo os próprios auditores fiscais da Receita, desviaram o dinheiro que saiu do bolso do trabalhador, daquela contribuição de 8 a 11%. Eles embolsaram, não repassaram para a previdência.

A dívida ativa no momento é de R$ 500 bilhões, mas eles não têm interesse, naturalmente, já que os 5% mais ricos é que os mais roubam, que esse dinheiro vá para a Previdência.
Vamos descobrir com a CPI, onde está a fraude, onde está a corrupção, onde estão os desvios, onde estão as propinas, onde está o dinheiro da DRU, onde está o dinheiro que, como manda a Constituição, devia ir para a seguridade, o faturamento sobre os lucros, o PIS/PASEP.

Então por esse motivo, queremos mostrar que não há déficit e que não há necessidade de uma reforma da previdência tão absurda como essa, que vai acabar com o direito da aposentadoria de todo o nosso povo e nossa gente.

ASOL – O governo federal a cada semana aparece com um novo dado e uma nova proposta de como será a reforma, qual sua opinião sobre isso?

PPO governo está totalmente perdido, é um governo despreparado, desqualificado, que não conhece o tema da Previdência. Num dia ele fala que a reforma é radical e vai pegar todo mundo, no outro dia não pega governo municipal, no outro dia não pega o estadual, no outro dia volta a pegar todo mundo de novo mas só daqui a seis meses, aí no outro dia “não, mas se fizer a reforma eles [estados e municípios]individualmente eu não vou me meter”, aí não pega professor, aí não pega servidor federal, aí volta a pegar e assim ele vai. É um governo ele quer fazer uma reforma que ele não tem envergadura, não legitimidade, não tem seriedade e não tem responsabilidade pra fazer, e por isso virou essa anarquia, que tá com rejeição de 95% da população brasileira.

ASOL – Sobre os grandes devedores, o senhor afirmou que eles serão parte importante na CPI, quem está envolvido?

PPSim, nós já temos a lista que está circulando e receita está organizando lista oficial, lá dentro estão grandes bancos grandes empresas, os governos estaduais, municipais, têm tudo. O Bradesco, o Itaú, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, os frigoríficos também. Vai ter que aparecer esse dinheiro…

ASOL – O que significa esta reforma para os trabalhadores?

PPEssa proposta é o desmonte da Previdência, não é uma reforma, é uma proposta que visa privatizar a Previdência. Como eles querem que o trabalhador receba se ele vai pagar, pagar, pagar até os 80 anos e não vai se aposentar? Porque está se propondo uma idade mínima e não se fala em máxima.

Para você ter para 49 de contribuição, trabalhando com a média de emprego do brasileiro que 12 meses que é 9,1 meses, seria necessário esperar 64,6 anos. Então para saber a idade que você vai se aposentar, completando os 49 anos de contribuição, você pega a idade que assinaram sua carteira a primeira vez e soma esses 64,6 anos. Se você começar a trabalhar com 30 vai se aposentar com 94,6 anos. Esses dados são dados tirados própria previdência.

Fica claro que o objetivo do governo é fazer com que as pessoas desistam da previdência e procurem uma previdência privada. Inclusive quem está financiando toda essa truculência da reforma da previdência é o sistema financeiro. Tanto que o próprio secretário da previdência é conselheiro pago de um fundo de pensão privada.

E o grande empresariado nacional está financiando reforma trabalhista, pra que a gente volte para um regime de escravidão, onde lei nenhuma vai ser respeitada.

ASOL – Sobre a previdência privada, quais são os riscos para os trabalhadores?

PPA previdência privada é um fundo de investimento, é como você comprar ações. Se você comprar ações e a empresa falir, você vai à falência junto. O fundo de previdência privada, como exemplo do Chile, da Argentina, e até dos EUA, é um fundo que o banco pega seu dinheiro e investe, se o investimento dele for errado e o fundo se der mal e for à falência, por exemplo, o banco não vai pagar nada. E você não vai ter nenhum direito a receber porque esse investimento deu errado. Isso significa na verdade você convidar o trabalhador pra pagar, e pagar sem saber se ele vai ter um centavo de retorno nesse fundo.

ASOL – O que o senhor espera da Greve Geral do dia 28/04?

PPA Greve Geral, do dia 28 vem em um momento de mais consciência das pessoas sobre os atos criminosos que esse governo tenta implementar, que são essas reformas da previdência e a trabalhista. Acredito que em todo o país serão mais de 40 milhões de pessoas nas ruas.

ASOL – E o Congresso?

PPTemos um Congresso vendido, que aprova a terceirização, o negociado sobre o legislado, a jornada intermitente, os ataques à Petrobras e a todos os programas sociais, isso demonstra que não existe compromisso com o povo brasileiro.

O governo vem praticando crimes lesa pátria e crimes conta a humanidade, não dá para acreditar que ele vá a lugar nenhum. É o pior governo de todos os tempos. Digo até que é melhor até que tenhamos eleições indiretas, que pior que o Temer não vai ter outro.

 

Compartilhar