A infernização do paraíso

Este é um livro que faz uma denúncia indignada, mas através de signos artísticos. A Mina de Morro Velho foi comandada pelos ingleses, alvo da denúncia mencionada. Mas esses ingleses são uma metonímia dos agentes de uma tragédia maior: a exploração do homem pelo homem. O processo identificado pelo nome de “exploração” é o verdadeiro foco da linguagem demolidora de A Infernização do Paraíso. O tom apocalíptico final é, para o autor e para a economia interna do poema, uma necessidade estética e humana. Só espero que não seja um réquiem e sim uma bela e viril advertência, que busca sensibilizar aqueles que não se resignaram à triste condição de “cadáveres adiados que procriam”. (ANTÔNIO SÉRGIO BUENO)

Você tem aqui o áudio do livro-poema “A Infernização do Paraíso”, de Rodrigo Leste. O próprio autor fez a locução da obra, dividida em tracks. A trilha sonora também foi criada e produzida por Leste que se utilizou de composições de Guilherme Vaz. Curta.

Você também pode realizar o download do livro clicando aqui.